quinta-feira , 24 de agosto de 2017
Início / Política / Geddel intermediava silêncio de Cunha, diz Joesley

Geddel intermediava silêncio de Cunha, diz Joesley


Reviewed by:
Rating:
5
On sábado, 17 de junho de 2017
Last modified:sábado, 17 de junho de 2017

Summary:

Geddel intermediava silêncio de Cunha, diz Joesley

O empresário Joesley Batista, sócio do grupo J&F, disse que o ex-ministro Geddel Vieira Lima (PMDB-BA) era “o mensageiro” do presidente Michel Temer, responsável por informá-lo sobre a situação de supostos pagamentos feitos para silenciar o ex-deputado Eduardo Cunha (PMDB-RJ) e o doleiro Lúcio Bolonha Funaro, ambos presos desde o ano passado pela Lava Jato. A informação faz parte da entrevista que Joesley concedeu à revista “Época”, divulgada nesta sexta (16).

O ex-ministro, segundo Joesley, mantinha contato quinzenal com ele para saber sobre os repasses.”E toda hora o mensageiro do presidente me procurando para garantir que eu estava mantendo esse sistema”, disse o empresário.

“Geddel [era o mensageiro]. De 15 em 15 dias era uma agonia terrível. Sempre querendo saber se estava tudo certo, se ia ter delação, se eu estava cuidando dos dois. O presidente estava preocupado. Quem estava incumbido de manter Eduardo e Lúcio calmos era eu”, declarou.

Joesley disse não ter dúvidas de que Temer estava consciente do esquema. “Sem dúvida [Temer sabia dos pagamentos]. Depois que o Eduardo foi preso, mantive a interlocução desses assuntos via Geddel. O presidente sabia de tudo”, disse.

“Eu informava o presidente por meio do Geddel. E ele sabia que eu estava pagando o Lúcio e o Eduardo. Quando o Geddel caiu, deixei de ter interlocução com o Planalto por um tempo. Até por precaução.”

O empresário disse que Temer tinha ascendência sobre Cunha e o acusou de chefiar uma organização criminosa. “A pessoa à qual o Eduardo se referia como seu superior hierárquico sempre foi o Temer”, disse o empresário, na entrevista.

“O Temer é o chefe da Orcrim [sigla para organização criminosa] da Câmara. Temer, Eduardo, Geddel, Henrique [Alves], [Eliseu] Padilha e Moreira [Franco]. É o grupo deles. Quem não está preso está hoje no Planalto. Essa turma é muita perigosa. Não pode brigar com eles”, prosseguiu o empresário.

Joesley afirmou que recebia pedidos do presidente. “O Temer não tem muita cerimônia para tratar desse assunto. Não é um cara cerimonioso com dinheiro”, disse. “Acho que ele me via como um empresário que poderia financiar as campanhas dele -e fazer esquemas que renderiam propina.”

O empresário citou um caso específico na entrevista. “Teve uma vez também que ele me pediu para ver se eu pagava o aluguel do escritório dele na praça [Panamericana, em São Paulo]”, disse.

Joesley diz que na ocasião se fez de desentendido e não atendeu à solicitação.Joesley afirmou que recebia pedidos de dinheiro de Cunha e Funaro vinculados a vários assuntos e citou como exemplo uma solicitação de Cunha de R$ 5 milhões para evitar a abertura de uma CPI que atingiria a JBS. Na ocasião, o empresário disse que não pagou.

Os pedidos de propina, segundo ele, continuaram mesmo depois da prisão do ex-deputado.

ACORDO POLÊMICO

Joesley Batista assinou um acordo de delação premiada com a Procuradoria-Geral da República, que foi homologado pelo ministro do STF (Supremo Tribunal Federal) Edson Fachin, relator da Lava Jato no tribunal.

O acordo recebeu críticas por conta dos benefícios concedidos ao empresário, que não cumprirá pena nem mesmo será processado. Ele e a família tiveram autorização para viajar aos EUA em jatinho da empresa.

A JBS, frigorífico do grupo J&F, está sendo investigada pela CVM (Comissão de Valores Mobiliários) em cinco processos administrativos para apurar supostas irregularidades, como o uso de informações privilegiadas em negociações de dólar futuro e ações.

Na entrevista, o empresário diz que não manipulou o mercado: “A CVM pode investigar e temos tranquilidade em responder. São operações feitas absolutamente dentro das regras”, declarou.

Ele também afirmou que se viu forçado a gravar Temer para provar que estava sofrendo achaques, e refutou que o áudio tenha sido alterado. “Zero. Zero. Gravamos e entregamos. Podem fazer todas as perícias do mundo”, afirmou.

PT E PSDB

Na entrevista, Joesley também faz acusações ao PT, que, segundo ele, inaugurou o esquema que perdurou sob Temer. Seu interlocutor para o pagamento de propina seria o ex-ministro da Fazenda Guido Mantega.

“Quando era efetivado o negócio, saía uma parcela, eu creditava o valor da propina na conta do Guido na Suíça”, declarou. A diferença, segundo ele, era que a abordagem do PT era “menos agressiva”.

Ele poupa o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, afirmando que nunca teve conversa “não republicana” com o petista. Explica também por que gravou o senador Aécio Neves (PSDB-MG), hoje afastado do cargo por decisão do Supremo.

Aécio, segundo ele, era a alternativa de poder. “Teve 48% dos votos dos brasileiros [na eleição de 2014]. E tinha entrado no governo do Temer”, afirmou.

O empresário declarou ainda que não tem mais revelações a fazer e que prestaria depoimento a uma CPI para investigar suas acusações.

Nenhum dos citados por Joesley na entrevista quis se manifestar até o momento.

 

Comentários:


ATENÇÃO: Os comentários são de total responsabilidade dos autores e representam a opinião pessoal de cada leitor. O Jacobina Notícias poderá retirar, sem aviso prévio, comentários ofensivos ou com xingamentos.