Bahia recebe sete ventiladores pulmonares do Governo Federal

A rede pública de saúde da Bahia recebeu sete ventiladores pulmonares do Ministério de Saúde. Os equipamentos desembarcaram entre os dias 9 e 15 de junho em Salvador, e serão distribuídos pela Secretaria Estadual de Saúde (Sesab), responsável por definir quais serão as unidades e os municípios contemplados.

Segundo informações do Governo Federal, esta é a terceira entrega de ventiladores pulmonares para o estado, que ao todo conta com 200 equipamentos enviados pelo órgão. Os ventiladores servem como suporte de pacientes graves, infectados por covid-19, que apresentem dificuldades respiratórias.

Conforme o Ministério da Saúde, 6,3 milhões de itens, entre equipamentos e insumos, já foram enviados para a Bahia. Além dos 200 ventiladores pulmonares, a pasta entregou 617,7 mil testes para o diagnóstico, sendo 509 mil testes rápidos (sorológico) e 118 mil RT-PCR (biologia molecular). EPIs e cerca de 176,6 mil doses do medicamento Oseltamivir e 41 mil doses de Cloroquina também foram disponibilizados.

A pasta destaca ainda que habilitou 265 leitos de UTI no estado. O pedido de habilitação para o custeio dos leitos é feito pelas secretarias estaduais ou municipais de saúde, que garantem a estrutura necessária para o funcionamento dos leitos. O Ministério da Saúde, por sua vez, garante o repasse de recursos destinados à manutenção dos serviços.

Saindo da Bahia, de acordo com o Ministério da Saúde, cerca de 4.435 ventiladores pulmonares foram entregues para todos os estados e o Distrito Federal. Até o momento, cinco contratos foram assinados com empresas brasileiras para a produção de 16.252 equipamentos, sendo: 6.500 com a Magnamed, no valor de R$ 322,5 milhões; 4.300 com a Intermed, no valor de R$ 258 milhões; 3.300 com a KTK, no valor de R$ 78 milhões; 1.202 com a empresa Leistung, no valor de R$ 72 milhões; e 950 com a WEG, no valor de R$ 57 milhões.

No início da pandemia, o Brasil contava com 65.411 ventiladores pulmonares, sendo que 46.663 estavam disponíveis no SUS.

A Tarde