Header Ads

Depressão será principal causa de afastamento do trabalho no mundo, diz OMS


A Organização Mundial da Saúde (OMS) fez um alerta sobre a depressão. De acordo com o documento da organização, a doença será o maior motivo de afastamento do trabalho no mundo, até 2020. No Brasil, cerca de 5,8% da população tem a doença, o que faz do país o campeão de casos na América Latina.

No Brasil, os casos de afastamento por doença do trabalho cresceram cerca de 25% entre 2005 e 2015, atingindo 181.608 pessoas, segundo informações publicadas no Anuário do Sistema Público de Emprego e Renda do Dieese, com base na Relação Anual de Informações Sociais (Rais).

O impacto na economia mundial é de aproximadamente 1 trilhão de dólares por ano. Ainda de acordo com a OMS, existem 23 milhões de pessoas sofrendo com transtornos mentais e que necessitam de algum atendimento em saúde, correspondendo a cerca de 12% da população brasileira.

Assistência

Em 2016, 75,3 mil trabalhadores foram afastados por causa de depressão no território brasileiro. Esse grupo corresponde a 37,8% de todas as licenças médicas apresentadas no ano passado e que deram direito a recebimento de auxílio-doença em casos esporádicos ou recorrentes.

Luiz Diego, que trabalha como programador, foi afastado do emprego anterior por causa da doença. Para ele, as empresas deveriam se preocupar mais com o bem-estar dos funcionários, mas isso tanto dentro quanto fora do ambiente de trabalho.

“Hoje em dia, o ritmo de trabalho que se espera do empregado chega a ser desumano, os níveis de estresse são absurdos, e o empregador geralmente está ligando pouco, ou mesmo nada, para a qualidade de vida de seus empregados. Um ambiente de trabalho agradável e uma empresa que se preocupe com o bem-estar e os problemas dos funcionários vai ter uma força de trabalho com melhor rendimento, menos gastos e, consequentemente, menos afastamentos”, diz.

Além disso, “investir no bem-estar do colaborador e dos seus familiares precisa ir além dos gastos com plano de saúde. As corporações precisam mudar paradigmas, abandonar a cultura da assistência ao trabalhador  centrada na doença para investir no estímulo à saúde”, defende Luiz Carlos Silveira Monteiro, presidente da ePharma e conselheiro da Asap (Aliança para Saúde Ocupacional).

Para a coach especializada pela internacional LeaderArt, Leila Arruda, os empregadores devem ter inteligência emocional para lidar com suas próprias emoções, assim como as de sua equipe. Quem tem essa habilidade costuma possuir autoconhecimento, controle emocional, empatia e habilidades sociais – características que podem ajudar a lidar com os funcionários.

Por Gabriela Albach / Fonte: A Tarde

Comentários:

ATENÇÃO: Cada comentário representa a opinião pessoal do leitor. O Jacobina Notícias respeita totalmente seu direito fundamental à liberdade de expressão, sinta-se a vontade. No entanto, comentários ofensivos ou com xingamentos podem ser removidos sem aviso prévio.
Tecnologia do Blogger.