Header Ads

Bolsonaro lidera com 20%, e tem eleitor mais fiel, aponta pesquisa


Pesquisa DataPoder360 realizada nos últimos dias de julho indica que Jair Bolsonaro (PSL) segue líder na corrida pelo Planalto num cenário em que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) não é apresentado como candidato. O capitão do Exército na reserva tem 20% das intenções de voto, mas enfrenta uma rejeição de 65%.

No mês passado, Bolsonaro tinha 21%. Sua variação foi dentro da margem de erro do levantamento.

O principal adversário de Bolsonaro neste momento é Geraldo Alckmin (PSDB), pois ambos disputam o eleitorado do centro para a direita. Desde maio o tucano agregou 1 ponto percentual por mês à sua taxa de intenção de voto. Tinha 7% em maio. Passou a 8% em junho. Em julho, foi a 9%.

São mudanças percentuais dentro da margem de erro da pesquisa, mas que indicam uma possível –embora ainda incerta– tendência de crescimento do tucano. Alckmin também tem 1 problema semelhante ao de Bolsonaro: 62% rejeitam o candidato do PSDB.

No mais, esta rodada do DataPoder360 continua a indicar uma alta taxa de “não voto”, com 43% dos pesquisados dizendo que vão escolher branco, nulo, nenhum candidato ou que ainda estão indecisos.

O levantamento do DataPoder360, divisão de pesquisas do portal Poder360, realizou 3.000 entrevistas por meio de telefones fixos e celulares de 25 a 28 de julho. Foram atingidas 182 cidades em todas as regiões do país. A margem de erro é de 2,2 pontos percentuais, para mais ou para menos. O registro do estudo no TSE (Tribunal Superior Eleitoral) é BR-09828/2018.

Há uma grande estabilidade no cenário da sucessão presidencial. Não só a pesquisa do DataPoder360 indica isso, mas todos os demais levantamentos agregados pelo Poder360 nesta ferramenta interativa única na internet brasileira, com todos os estudos disponíveis.

Nesta rodada, o DataPoder360 testou apenas 1 cenário de candidatos (com 6 nomes). Não foram testados cenários de 2º turno:


Quando se observa o quadro acima é necessário levar em conta os momentos em que foram realizadas cada uma das 3 pesquisas listadas.

Em maio de 2018, o DataPoder360 já estava programado para pesquisar quando eclodiu o movimento de paralisação de caminhoneiros em todo o país. Jair Bolsonaro foi beneficiado. Ele sempre tinha perto de 20% e foi a 25% em maio. Agora, aparentemente voltou para o seu patamar tradicional no eleitorado.

Já no caso de Geraldo Alckmin, a pesquisa atual foi realizada no momento em que o tucano experimentou sua maior exposição espontânea e positiva na mídia em geral –após formar uma megacoalizão com o grupo de partidos autodenominado Centrão. A maioria das análises nos meios de comunicação foi no sentido de dizer que o tucano passou a ser mais competitivo.

Não há ainda como afirmar, com segurança, se existe mesmo uma tendência de crescimento sustentável do candidato do PSDB –o que será possível aferir no final de agosto.

A prioridade desta rodada do DataPoder360 foi testar o potencial de voto, a taxa de rejeição, a certeza do voto e o grau de conhecimento que o eleitorado tem de cada candidato. É o cruzamento desses 4 dados que permite, de alguma forma, identificar tendências do que poderá se passar nas próximas semanas até o 1º turno em 7 de outubro.

Primeiro, vale a pena observar os quadros gerais:




REJEIÇÃO: TODOS ACIMA DE 50%

Como se observa no quadro sobre potencial de votos dos candidatos a presidente, todos têm rejeição acima de 50%.

Cada empresa testa a rejeição dos políticos com uma metodologia específica. No caso do DataPoder360, optou-se por fazer perguntas separadamente para cada 1 dos nomes na corrida presidencial.

O enunciado da pergunta foi este: “Você diria que votaria com certeza, poderia votar, ou não votaria de jeito nenhum em [nome do candidato]?

Chama a atenção a taxa de rejeição de Jair Bolsonaro (PSL), que puxa a fila com 65%. Mas Geraldo Alckmin (PSD) vem logo a seguir, com 62% (empatado na margem de erro com Bolsonaro). Depois, bem próximos, estão Ciro Gomes (PDT) e Marina Silva (Rede), ambos com 60%.

Os petistas Haddad e Wagner têm 57% e 55% de taxa de rejeição, respectivamente.

Isso tudo significa que dificilmente algum político –salvo numa mudança enorme do cenário– possa vencer já no 1º turno. A Constituição brasileira determina que só ganha no 1º turno o candidato que conseguir, pelo menos, 50% mais 1 dos votos válidos.

POTENCIAL DE VOTO

Essa é soma dos que dizem votar com certeza ou que poderiam votar num determinado candidato.

O campeão isolado de potencial de voto é Lula, com 38%. É importante dizer que as perguntas sobre o petista foram todas feitas pelo DataPoder360 ao final do questionário aplicado para não influenciar as respostas a respeito dos demais candidatos.

Depois de Lula, vêm Ciro e Alckmin, ambos com 35%. Marina Silva (Rede) aparece a seguir, com 33%. Haddad tem 28%; Bolsonaro, 26%; e Wagner, 21%.

A diferença entre Lula e os demais candidatos é que o petista tem 27% de eleitores dizendo que poderiam votar nele com certeza. Nenhum dos demais concorrentes fica perto desse desempenho.

Ao mesmo tempo, Lula desperta a fúria de 60% dos eleitores brasileiros, que dizem não votar nele de jeito nenhum.

INCERTEZA GRANDE

Metade do eleitorado (51%) não sabe ainda em quem votar para presidente ou pode mudar de opinião até o dia da eleição.

Isso significa que candidatos empacados podem conseguir pescar votos nesse oceano de indecisos? Depende.

Se nada relevante acontecer até o dia da eleição (1 grande escândalo político, por exemplo), a tendência que se viu em todas as eleições recentes é o voto dos indecisos se dividir proporcionalmente à taxa que cada candidato já tem nas pesquisas. Nessa hipótese, quem está na frente acaba seguindo na liderança do mesmo jeito.

Além de 1 escândalo de grandes proporções, há o sempre repetido “efeito da TV quando começar o horário eleitoral”. É possível que isso ocorra, mas em eleições presidenciais passadas nunca houve reviravoltas nesse tipo de disputa nacional por causa da TV –diferentemente de pleitos municipais ou estaduais.

Por fim, o atual nível de eleitores indecisos pode levar a 1 recorde de “não voto”. O número de brasileiros desanimados com a política enseja 1 possível número alto de brancos e nulos, além de abstenções. Esse fenômeno já foi registrado em eleições suplementares recentes no Amazonas e no Tocantins.

Há muitas análises precipitadas a respeito desse possível “não voto” recorde.

Algumas interpretações atribuem esse desinteresse do eleitor a uma certa falência do sistema democrático brasileiro. Não é bem assim. Ocorre que há 3 décadas o país convive com o atual modelo de democracia representativa. Muitos cidadãos perceberam que o voto não é, de fato, obrigatório. A multa por passar o domingo na praia e não votar equivale a, aproximadamente, US$ 1.

Em democracias representativas mais desenvolvidas e longevas do que a brasileira, é natural que quase metade dos eleitores não se dê ao trabalho de votar. É assim nos Estados Unidos e lá a democracia existe há mais de 200 anos.

Tudo indica que o Brasil está entrando nessa quadra: uma parte relevante do eleitorado poderá preferir não opinar durante o processo eleitoral de 2018. Se isso ocorrer, será motivo de muitos estudos sócio-político-eleitorais no futuro –até porque o “não voto” favorece quem está hoje já na frente nas pesquisas.

PETISTAS DESCONHECIDOS

Os 2 mais prováveis substitutos de Lula na disputa (quando o ex-presidente eventualmente ficar impedido de concorrer por ser condenado em 2ª Instância), Fernando Haddad e Jaques Wagner, são pouco conhecidos nacionalmente –23% e 18%, respectivamente.

Todos os demais candidatos competitivos têm uma taxa acima de 50%.

Em algumas pesquisas recentes foram testados nomes de petistas com a identificação de “candidato do Lula” ou “apoiado pelo Lula”. Nessas hipóteses, Haddad chega à redondeza dos 10%. Há, portanto, uma possibilidade de transferência de votos.

A pergunta a ser feita é: “Qual é o momento ideal para começar a fazer de fato essa eventual transferência de votos de Lula para Haddad ou Wagner?”. O PT e Lula não admitem discutir isso em público. Tudo indica que a decisão tomada é a de levar Lula com uma candidatura precária até por volta de 15 de setembro –quando a Justiça Eleitoral possivelmente decida interditá-lo de maneira definitiva.

Nesse cenário do parágrafo anterior, o PT teria cerca de 20 dias para inocular os votos lulistas no substituto. Esse tempo será suficiente? Ninguém sabe e não existem parâmetros de eleições anteriores que permitam comparações ou vaticínios minimamente científicos.

O ex-prefeito do Rio de Janeiro Cesar Maia, arguto analista de pesquisas de intenção de voto, escreveu a respeito da transferência de votos de Lula para algum outro petista. O artigo está aqui.

VOTO MAIS CERTO: BOLSONARO

O eleitor em geral tem muita incerteza (só 49% dizem já ter decidido com certeza em quem votar), mas os bolsonaristas se comportam de maneira diferente. Entre os que votam no candidato do PSL, 76% dizem que não mudam mais de opinião até o dia da eleição.

É claro que essa é uma “fotografia” do momento da pesquisa. O cenário pode se alterar. Mas é melhor ter esse tipo de voto mais cristalizado agora do que não ter. O 2º candidato com mais eleitores definidos é Ciro Gomes, com 65% dizendo que votam no nome do PDT com certeza.

Todos os demais candidatos ficam perto de 50% (nível de voto com certeza) ou abaixo. Eis os dados:


CONHEÇA O DATAPODER360

A operação jornalística que comanda o Drive e o portal de notícias Poder360 lançou em abril de 2017 sua divisão própria de pesquisas: o DataPoder360.

As sondagens nacionais são periódicas. O objetivo é estudar temas de interesse político, econômico e social. Tudo com a precisão, seriedade e credibilidade do Poder360.

Há agora também outra novidade no Poder360: o agregador de pesquisas, que reúne todos os levantamentos de todas as empresas que investigam intenção de voto e divulgam seus dados.

Trata-se de ferramenta potente para pesquisadores ou leitores em geral que desejam estar informados sobre o atual processo eleitoral –além de poder observar o que disseram todas as pesquisas desde o ano 2000. Copie a URL e guarde na sua lista de favoritos: https://www.poder360.com.br/pesquisas-de-opiniao/

SAIBA QUAL É A METODOLOGIA

O DataPoder360 faz suas pesquisas por meio telefônico a partir de uma base de dados com dezenas de milhões de números fixos e celulares em todas as regiões do país.

A seleção dos números discados é feita de maneira aleatória e automática pelo discador.

O estudo é aplicado por meio de 1 sistema IVR (Interactive Voice Response) no qual os participantes recebem uma ligação com uma gravação e respondem a perguntas por meio do teclado do telefone fixo ou celular.

Só são consideradas as ligações nas quais o entrevistado completa todas as respostas. Entrevistas interrompidas ou incompletas são descartadas para não produzirem distorções na base de dados.

Os levantamentos telefônicos permitem alcançar segmentos da população que dificilmente respondem a pesquisas presenciais. É muito mais fácil atingir pessoas em áreas consideradas de risco ou inseguras –como comunidades carentes em grandes cidades– por meio de uma ligação telefônica do que indo até as residências ou tentando abordar esses cidadãos em pontos de fluxo fora dos seus bairros.

“É importante levar em conta que cada empresa usa uma metodologia diferente em suas pesquisas. O que é relevante é adotar 1 método consistente, que leve em conta a demografia do eleitorado brasileiro e que faça as ponderações corretas. É isso o que fazemos no DataPoder360”, explica o cientista político Rodolfo Costa Pinto.

Qual a diferença entre uma pesquisa realizada por telefone e outra na qual o entrevistado é abordado na rua ou é procurado em sua residência?

“Estudos de intenção de voto com entrevistas presenciais têm suas características próprias, assim como as pesquisas telefônicas. Por exemplo, algumas pessoas podem se sentir mais à vontade para declarar seu voto olhando nos olhos do entrevistador. Outras se sentirão mais confortáveis fazendo isso ao telefone. Nenhum método é mais certo ou errado do que o outro. O importante é a consistência da metodologia e a possibilidade de repetir os estudos com frequência, pois a curva dos percentuais de cada candidato é que revela uma possível tendência, e não apenas 1 levantamento isolado e feito a cada 3 ou 4 meses”, explica Costa Pinto.

Para entender mais sobre as características metodológicas das pesquisas telefônicas realizadas pelo DataPoder360, leia estes posts:

O resultado final das pesquisas DataPoder360 é ponderado pelas variáveis de sexo, idade, grau de instrução e região de origem do entrevistado ou entrevistada. A ponderação é 1 procedimento estatístico que visa a compensar eventuais desproporcionalidades entre a amostra e a população pesquisada. O objetivo é que a amostra reflita da maneira mais fiel possível o universo que se pretende retratar no estudo.

O DataPoder360 trabalha com uma margem de erro preferencialmente inferior a 3 pontos percentuais, para mais ou para menos. Esse percentual pode variar em cada levantamento e os leitores são sempre informados detalhadamente sobre qual foi a metodologia utilizada.

Neste ano de 2018, as pesquisas de intenção de voto seguem estritamente todas as determinações legais e as resoluções da Justiça Eleitoral.

Esta rodada do DataPoder360 foi realizada de 25 a 28 de julho de 2018. Foram entrevistadas 3.000 pessoas com 16 anos ou mais em 182 cidades em todas as regiões do país. A margem de erro deste estudo é de 2,2 pontos percentuais, para mais ou para menos. O número de registro desta pesquisa na Justiça Eleitoral é BR-09828/2018.

Fonte: DataPoder360

Comentários:

ATENÇÃO: Cada comentário representa a opinião pessoal do leitor. O Jacobina Notícias não se responsabiliza pelas opiniões expostas aqui. No entanto, comentários ofensivos ou com xingamentos podem ser removidos.
Tecnologia do Blogger.