Repetição de senhas em várias redes sociais expõe usuários a ataques de hackers


Recentes casos de invasão de celulares de figuras públicas e com notoriedade por hackers, a exemplo dos ministros Paulo Guedes (Economia) e Sergio Moro (Justiça), colocam à luz e alertam a população em geral para o cuidados que devem acompanhar o uso de aparelhos eletrônicos, como celulares e computadores, além das medidas de segurança que devem ser adotadas. 

Analista de dados, o professor de Sistemas das Informações da Faculdade de Tecnologia e Ciências (FTC) José Irahe listou algumas precauções que os usuários podem adotar para se tornarem "alvos mais difíceis", já que, segundo ele, "ninguém tem como deixar de ser alvo" porque "todo mundo está exposto as falhas dos sistemas existentes", uma vez que "não existe sistema perfeito". 

Para tornar mais claro, ele fez uma analogia com o trânsito. "Por exemplo, o trânsito é 100% seguro? Por mais que você dirija com o máximo de cautela possível, ainda assim você exposto a sofrer um acidente. O mesmo se aplica. Você consegue mitigar as chances de sofrer um ataque, para isso você deve adotar condutas de segurança", defendeu o analista de dados. 

O cuidado deve começar pelo bloqueio das telas dos aparelhos celulares. Nos smartphones é comum que as pessoas utilizem senhas em que "se desenha na tela" ligando alguns pontos, esse tipo foi avaliado por Irahe como um dos mais "perigosos".  O especialista apontou as senhas textuais, compostas com números, letras e símbolos, como as mais seguras para essa função. 

Ainda falando de senhas, o alerta do professor seguiu ao comentar sobre o uso de desbloqueio facial, já que as pessoas expõem suas fotos nas redes sociais o tempo inteiro. Ele destacou a eficiência do desbloqueio através da biometria. 

Ainda segundo o especialista, as pessoas devem ter senhas diferentes para as variadas contas na internet, a exemplo das redes sociais, e-mails, sites de compras, internet banking. “Por mais que seja atacado em um dos serviços, você não vai ser atacado em todos”, frisou. 

Sobre as invasões aos celulares dos ministros, na avaliação José Irahe “não são casos de má conduta do usuário” e sim do que ele chamou de “hacker focado”. Esse tipo de ataque, conforme explicou o professor, começa com a montagem de um perfil do alvo, através de informações que a própria pessoa publica nas redes sociais e de, como é o caso dos ministros, notícias que saem sobre aquele indivíduo. “Com esse perfil na mão um cidadão malicioso que tem interesse em fazer um teste de penetração consegue eventualmente um endereço de IP, algo do gênero, e acessa o seus dados”, concluiu. 

Por Lucas Arraz / Jade Coelho