Carnaval de Salvador só se houver 'ambiente de total segurança', diz Neto


O prefeito ACM Neto falou nesta segunda-feira (13) sobre o possível adiamento do Carnaval 2021, por conta da pandemia de covid-19. Segundo Neto, nada está cravado e ainda é cedo para tomar alguma decisão. Ele disse que sua equipe trabalha com o prazo de novembro para avaliar o que será feito. "O Carnaval só ocorrerá se puder acontecer em ambiente de total segurança", ressaltou o prefeito, que participou da inauguração de uma via.

"Hoje é impossível ter uma ideia se ocorrerá ou não o Carnaval em fevereiro do próximo ano", afirmou, lembrando que a decisão ainda caberá à sua gestão, já que a festa exige um planejamento antecipado. "É impossível dizer se teremos segurança para a realização do Carnaval em fevereiro ou não. Nosso prazo é o mês de novembro. Não é uma decisão que tem que se tomar hoje", destacou.

De acordo com o prefeito, a festa só vai acontecer no período tradicional caso já exista uma vacina ou uma "clareza em relação à imunidade coletiva" até novembro. "Caso cheguemos ao mês de novembro sem segurança plena para realizar o Carnaval em fevereiro, é claro que ninguém vai autorizar", diz.

Diante do cenário de que em fevereiro não haja segurança para uma festa do porte do Carnaval, Neto considera que o adiamento é, sim, uma boa alternativa.  "Avaliarmos a possibilidade do Carnaval acontecer entre o final do mês de maio e início do mês de junho, sem que conflite com o calendário junino. A gente sabe que os festejos do São João são muito importantes para o Nordeste, principalmente pro interior. Também não acho que seja justo o Carnaval prejudicar o São João, que esse ano já não tivemos. Ideal seria buscar um calendário em 2021, quem sabe até identificando feriados que podem ser utilizados, pela data propriamente ou pela antecipação de feriados. E aí organizar o calendário para o Carnaval", explica.

Ele diz que se isso acontecer, vai propor que haja um movimento comum com outras cidades que realizam Carnavais de destaque no Brasil. "Procurarei o prefeito do Rio de Janeiro, de São Paulo e de outras cidades para ver se é possível a gente construir um adiamento do Carnaval conjuntamente, caso isso seja necessário".

O prefeito diz que é cedo para "alimentar especulações", mas assumiu que é o mais provável de acontecer é que não haja condições para a folia em fevereiro. "Da mesma forma que não quero gerar polêmica, tenho que ser claro. O mais provável é que até novembro não tenhamos uma vacina acesssível a todos, que não tenhamos uma confirmação de imunização coletiva e que essa decisão tenha que ser tomada. É o mais provável. Agora, quem sabe? Quem sabe acontece alguma coisa que surpreende positivamente a todos e que mude esse cenário?", questiona.

Neto lembrou também que além da importância cultural, o Carnaval também tem um grande peso econômico para Salvador.

Outras festas

Sobre o Festival da Virada, que acontece no Réveillon, Neto afirmou que se trata de uma festa "muito mais simples", mas que isso deve ser decidido também até novembro. Já o Festival da Primavera, que acontece em todo setembro, nem sequer é cogitado para esse ano.

"Algumas coisas estão claras. Por exemplo, setembro tem Festival da Primavera todo ano em Salvador, esse ano não vai acontecer, a gente nem considera mais essa hipótese. E muito provavelmente boa parte do calendário de eventos do segundo semestre da nossa capital estará comprometido. A gente nem tem cabeça nesse momento para estar analisando se vai ter Festival da Virada, da Primavera... Não há nenhuma perspectiva de autorizarmos a realização de eventos em Salvador", afirmou.

No evento, Neto afirmou que acredita que até segunda-feira (20) a cidade deve chegar à taxa de ocupção de UTIs para covid-19 que permitirá abertura dos comércios na fase 1 do plano de retomada de Salvador. É preciso que esse número fique em 75% por cinco dias para dar início. "Nosso horizonte agora é esse, não é estar pensando o que vai acontecer na virada do ano, no Carnaval..".

Por Gil Santos