O que você precisa saber sobre o Samu de Jacobina

O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência - Samu, está presente na vida do jacobinense desde o ano de maio de 2014 (Portaria nº 1.091). Com a central de regulação em Irecê, sua equipe recebe diariamente dezenas de chamados para prestar socorro a pacientes em diversas regiões da cidade. 

E o Jacobina Notícias esteve na base do Samu, situada na Unidade de Pronto Atendimento - UPA, aonde teve a oportunidade de conversar com a equipe plantonista, a qual nos falou um pouco sobre protocolos, desafios e orientações à população.

Central de Regulação 

Quando um morador de Jacobina disca 192, ele é atendido por uma equipe de profissionais da Central de Regulação instalada na cidade de Irecê. Composta por um telefonista, um médico e um rádio operador, a equipe está qualificada para ajudar quem está do outro lado da linha. É importante que seja passado o maior número de informações possíveis sobre o paciente que aguarda pela unidade móvel, pois é através dessa entrevista que a regulação saberá qual tipo de ambulância será enviada, pois em Jacobina há a básica e a avançada.

A Central de Regulação atende cerca de 30 cidades e, por sua equipe não conhecer a realidade de cada uma delas, é preciso que seja informado o endereço com clareza e pontos de referência. Citamos como exemplo um erro comum: dizer que é próximo da Uneb, ou seja, em Jacobina há uma também no bairro da Catuaba, fazendo com que a equipe se dirija para o local errado. 

Os profissionais chamam a atenção também para a informação de que a base de Jacobina não tem autorização para enviar ambulância para prestar socorro sem um chamado vindo da Central de Regulação, por isso alguns cidadãos não entendem o porquê de a equipe não poder sair quando alguém chega chamando na unidade. Eles contam que sofrem diversas ameaças de pessoas que não entendem que o Samu de Jacobina segue um protocolo federal e, uma prestação de socorro sem passar pela central poderá gerar uma notificação para o Município.


Primeiros Socorros

Sabemos que existe em quem faz a ligação para o 192, uma enorme vontade de prestar socorro a uma vítima de acidente, porém os profissionais alertam para os cuidados que devem ser tomados, ao encontrar alguém ferido. E o primeiro deles é o de nunca mexer no paciente, pois um movimento errado pode gerar enormes sequelas, chegando a deixá-lo paraplégico. A retirada do capacete de motociclistas é um desses perigos. Deve haver também a preocupação em deixar a área da vítima segura, isolando o trânsito ao redor, evitando que outras pessoas se tornem vítimas ao tentar ajudar.

O atendimento do Samu ao paciente já começa no momento da ligação e, será por meio das orientações dos médicos da Central de Regulação que o acompanhante da vítima poderá ajudar a salvar uma vida. Portanto, é preciso ter calma e cooperar com o médico. 

Os primeiros socorros da equipe do Samu são prestados ainda na área do acidente. Por isso é comum, em alguns casos, que a ambulância permaneça no local até que os profissionais estabilizem a vítima, evitando que traumas maiores aconteçam durante o translado para uma unidade de saúde. A depender do estado do paciente, ainda há situações em que ele é tratado no Samu e deixado ali mesmo, sem a necessidade de seguir para o hospital.

As equipes se revezam em plantões de 24 horas e, sempre há na base 2 condutores (para a básica e a avançada), 01 técnico de enfermagem, um enfermeiro e um médico.

Ambulância em deslocamento

O Código de Trânsito Brasileiro (CTB), estabelece que, desde que estejam em situação de urgência, as ambulâncias têm prioridade no trânsito e podem circular ou estacionar livremente. E a lei prevê multa para condutores de veículos que obstruírem a passagem de uma unidade durante seu deslocamento de emergência. 

De acordo com o protocolo federal, uma unidade do Samu só poderia se deslocar para até um raio de 30 km de sua base, porém os profissionais nos contam que essa é uma regra que não poderia se aplicar à Jacobina, pois há distritos com mais de 40 km e eles não podem ficar desassistidos.

Atendimento com auxílio de autoridades policiais

Em situações de tentativas de homicídios ou pacientes que estão em situação de estresse total e/ou desequilíbrio mental, é regra que a unidade do Samu só saia da base com o apoio da Polícia Militar ou a Guarda Municipal. 

Os profissionais contam ainda que, em caso de acidentes envolvendo veículos, cujo condutores ficam presos entre ferragens, não seria o papel da equipe fazer essa retirada das vítimas, porém como em Jacobina ainda não possui uma unidade do Corpo de Bombeiro Militar, por muitas vezes foi preciso que os socorristas serrassem estruturas, desmontassem painéis de carros, apenas pelo desejo de salvar vidas.

Considerações Finais

Os profissionais que atenderam ao Jacobina Notícias finalizaram pedindo um pouco mais de sensibilidade para todos aqueles que ainda têm o hábito de fazer filmagens ou fotos de pacientes sendo atendidos. Por muitas vezes a equipe precisa despir uma vítima para identificar lesões e, infelizmente são colocados em situações que geram transtornos ao serem expostos em grupos de mensagens. É preciso haver consciência, pois por diversas vezes um familiar fica sabendo de forma errada, de um acidente de parente.

- A frota do Samu em Jacobina foi renovada em 2019.

- O artigo correto a ser utilizado é "O" Samu, e não "A" Samu, por se tratar de "O" Serviço de Atendimento Móvel de Urgência. 

Agradecemos a todos pela disponibilidade na entrevista e parabenizamos esses guerreiros pelo excelente trabalho desenvolvido em Jacobina, nessa difícil arte de salvar vidas.

Por Igor Fagner / Jacobina Notícias - Conectando você com o mundo.