O estado da Bahia tem 111 pessoas com coeficiente de inteligência (QI) acima de 98% da população em geral. Com a inteligência acima da média, esses baianos são considerados superdotados. O levantamento foi feito pela Associação Mensa Brasil, braço nacional da entidade que identifica pessoas superdotadas em todo o mundo desde 1946. 


Em 2022, a Mensa Brasil já havia identificado 62 pessoas superinteligentes no estado. Em dois anos, o aumento foi de 79% no número de superdotados. O estado aparece como o oitavo com mais superdotados. Em primeiro lugar está São Paulo, com 1.552 pessoas, seguido do Rio de Janeiro, com 376. São 3,5 mil no país, sendo que 25% deles têm menos de 18 anos.


Marina Couto, vice-presidente da associação, explica que testes de aptidão intelectual são necessários para atestar a condição. “A Mensa é a maior associação de superdotados, e o nosso critério tem como base o coeficiente de inteligência (QI), que é medido através de testes psicométricos. Psicólogos aplicam testes específicos que são validados em todo o mundo”, diz. Em termos gerais, os superdotados possuem QI acima de 130 pontos. A média da população é de 100


Para identificar superdotados, a associação realiza testes a cada dois meses em Salvador. O próximo está previsto para julho, mas a data ainda não foi definida. A programação é disponibilizada no site da Mensa Brasil. É preciso ter entre 17 e 63 anos, além de ensino superior incompleto, no mínimo, para se inscrever nos testes. A inscrição custa, em média, R$100.

A Secretaria de Educação do Estado da Bahia (SEC) possui registros de 54 estudantes com superdotação. Eles são atendidos nas escolas e em algum dos 14 Centros de Apoio Pedagógicos Especializados existentes no estado, como explica Alexandre Fontoura, coordenador de educação especial da pasta. 

"Quando os alunos recebem o diagnóstico de altas habilidades, fazemos um plano de educação individualizado para o estudante, com a presença de especialistas. Os alunos recebem trabalho de suplementação de rotina escolar em conformidade com a sua necessidade", diz. 


A Secretaria Municipal de Educação de Salvador (SMED) não informou a quantidade de estudantes superinteligentes matriculados na rede. Em 2017, uma reportagem do CORREIO mostrou que haviam 44 alunos superinteligentes em escolas públicas de Salvador. 


Os sinais da superdotação aparecem ainda na infância, quando crianças têm facilidade em aprender a ler e a escrever, por exemplo. Há menos de um ano, o menino Rael Silva foi identificado com a condição em Feira de Santana. Aos 3 anos de idade, ele sabe ler, fazer contas básicas de matemática e até falar em inglês. 

A médica pediatra Ana Patrícia Almeida explica que o diagnóstico precoce é essencial para que os superdotados possam se desenvolver. “O rótulo pode trazer desconforto emocional pelo fato de as crianças se sentirem diferentes. Elas podem ter dificuldades em absorver frustrações por serem muito perfeccionistas. São diversas alterações de comportamento que devem ser acompanhadas por profissionais”, afirma.


Nos últimos anos, o quadro Pequenos Gênios, do Domingão com o Huck, da Rede Globo, apresentou aos brasileiros crianças superdotadas. No programa, os meninos e meninas superinteligentes disputam provas de matemática, lógica e memória. O vencedor pode levar até R$200 mil.


Fonte: Correio 24Horas


Jacobina Notícias- O seu portal de informações 

Comentários

Postagem Anterior Próxima Postagem