Header Ads

Conheça Madeline Stuart, a primeira supermodelo com síndrome de Down


Aos pouquinhos, a moda vai deixando para trás algumas ideias e conceitos, percebendo que a beleza se revela por vários caminhos. A canadense Winnie Harlow, portadora de vitiligo, virou favorita de Marc Jacobs, que passou a escalar a moça, com campanha para a Diesel no currículo, para seus desfiles. A americana Ashley Graham, celebrada por suas curvas, entrou para o time de tops de Michael Kors. No outro lado do globo, na Austrália, Madeline Stuart fez história ao ser apontada como a primeira supermodelo com síndrome de Down.

Aos 21 anos, ela destaca que a indústria está mesmo aberta à diversidade e que as pessoas estão enxergando o cenário com olhos diferentes. Afinal, representatividade importa, sim.

— Quero que todos saibam que a beleza vem em muitos tamanhos e formas; devemos nos amar e ser gentis — comenta Madeline, que concedeu esta entrevista por e-mail com a assistência da mãe, Rosanne, sua grande incentivadora e agente. — Acho que mamãe me dá força para enfrentar os desafios. Nunca tive medo das coisas. Não fui educada dessa maneira. Fui criada para acreditar em mim, com coragem para viver a vida ao máximo.

A australiana entrou para a indústria da moda em maio de 2015, após suas fotos viralizarem nas redes sociais. O começo foi “insano”, com convites para trabalhar em vários lugares. De repente, estava na crista da onda, desfilando em Nova York, Londres e Paris. Ela passa somente três meses por ano em casa, em Brisbane, sua cidade natal. No resto do tempo, é nômade, como qualquer top model.

— Sou apenas uma garota normal, com muitas oportunidades, e que é grata. Dou duro para ficar no topo do jogo e espero ter a chance de manter minha carreira por um longo período — diz a modelo, afirmando que não vê problema nas empresas usarem sua condição para promover produtos. — Isso derruba barreiras. É uma vitória. Sou uma mulher de negócios. Então, não pense em mim como um caso de caridade com o qual só podem trabalhar se possuírem as mais honradas intenções que não sejam as vendas. Isso só anularia o propósito.

Firme e focada, Madeline, que namora há quatro anos, sonha riscar as passarelas das grifes Chanel, Louis Vuitton e Versace. A apresentação anual da Victoria’s Secret também está nos planos:

— Se você é uma angel, é considerada uma das melhores e será tratada como tal. É o sonho de toda modelo.

Além de manequim, Madeline pilota sua própria marca, a 21 Reasons Why by Madeline Stuart. A etiqueta nasceu depois que ela percebeu que seu estilo atraía curiosos, que perguntavam todos os detalhes dos looks.

— Pareceu-me natural ter uma coleção para expressar todo o meu amor pela moda — afirma. — O 21 do nome tem a ver com o cromossomo que representa a síndrome de Down, mas também está ligado ao fato de que esperamos ansiosos os 21 anos. É um momento tão emocionante.

No fim do ano, Madeline lançará um documentário sobre sua trajetória. As câmeras a acompanham desde setembro de 2015, quando fez seu primeiro desfile em Nova York.

Um tapa de luva na desembargadora Marília Castro Neves, do Rio de Janeiro, que questionou o que Débora Seabra, primeira professora com síndrome de Down do Brasil, ensinava aos seus alunos. Ora, temos muito o que aprender com Débora, Madeline e tantas outras pioneiras da diversidade.

Agência O Globo

Comentários:

ATENÇÃO: Cada comentário representa a opinião pessoal do leitor. O Jacobina Notícias não se responsabiliza pelas opiniões expostas aqui. No entanto, comentários ofensivos ou com xingamentos podem ser removidos.
Tecnologia do Blogger.