Assessor do deputado João Isidório é morto a tiros em Candeias


Um assessor do deputado estadual João Isidório (Avante) foi morto na madrugada deste sábado (8). Humberto Alves Brito, 50 anos, foi atingido por tiros em sua própria casa, na Rua da Areia, no Distrito Menino Jesus, em Candeias, na Região Metropolitana de Salvador (RMS), por volta das 5h40. 

Segundo a Polícia Militar, policiais da 10ª Companhia Independente (Candeias) chegaram a ser chamados por volta das 7h deste sábado. A informação é que duas pessoas teriam sido vítimas de disparos de arma de fogo. Ao chegar ao local, porém, a polícia encontrou Humberto já sem vida. Vizinhos contaram que a outra vítima - uma mulher que seria companheira de Humberto - foi socorrida por moradores da região. Ela foi atingida na perna. 

Em seu perfil no Facebook, o deputado João Isidório, conhecido como Pastor Isidório Filho, lamentou a morte do assessor. De acordo com ele, Humberto desenvolvia trabalho voluntário de prevenção às drogas, promovendo palestras e ajudando jovens. 

Humberto era um jovem sonhador como muitos outros que entraram no mundo das drogas e se recuperou na Fundação Dr. Jesus há 13 anos. A partir daí, com o seu desenvolvimento, dedicação e liderança, Humberto passou a fazer parte da equipe, primeiro no mandado do meu pai e agora no meu - escreveu João, referindo-se ao pai, o deputado federal Sargento Isidório (Avante).

Fundação

De acordo com o diretor-geral da Fundação Dr. Jesus, Tancredo Isidório, Humberto era um funcionário “exemplar”. Depois que foi interno em tratamento na instituição, passou a ser funcionário dela – segundo ele, é uma prática comum, já que 70% dos funcionários da fundação já foram atendidos por ela. 

Em seguida, alguns anos mais tarde, passou a ser assessor parlamentar do então deputado estadual Sargento Idisório. Quando João Isidório foi eleito deputado estadual, passou a trabalhar no mandato dele. 

Ele fazia o primeiro contato com os internos que chegavam na casa. Era aquele rapaz bruto, mas uma pessoa muito legal. Era bruto porque era o jeito dele, a natureza dele, mas quem conversava via que era uma pessoa do bem - explicou o diretor da entidade. 

Como assessor parlamentar, não tinha se desligado totalmente da fundação. No começo da manhã, costumava recepcionar os internos e passar as normas da casa, antes de seguir para o expediente no gabinete ou em outros serviços legislativos.

Antes de entrar na Fundação Dr. Jesus como interno, teve um passado de envolvimento com o tráfico de drogas na Liberdade, em Salvador. Segundo fontes ouvidas pelo Correio, Humberto já tinha sido ameaçado e foi vítima de uma tentativa de homicídio nos últimos meses, mas não isso não estaria relacionado ao tráfico.

Crime

Ainda de acordo com a assessoria da PM, a área do crime foi isolada. Até o início da tarde, a polícia aguardava no local para que o Serviço de Investigação em Local de Crime (Silc) fizesse a perícia. A autoria e a motivação do crime serão investigadas pela Polícia Civil. Ainda não há informações sobre o velório de Humberto.