Transalvador nega que uso de álcool gel comprometa teste do bafômetro


A Superintendência de Trânsito de Salvador (Transalvador) negou que a utilização do álcool gel para higienizar as mãos comprometa o motorista no teste do bafômetro. Vídeos, que circularam nas redes sociais, mostravam que o produto poderia interferir em um primeiro momento em ambientes fechados, caso o teste ocorresse imediatamente após a inalação do odor do álcool, podendo atestar um falso positivo. 

Entretanto, minutos após, quando refeito o teste, caso o condutor não tenha ingerido bebida alcoólica, o resultado dará negativo, como explicou Fabrizzio Müller, superintendente da Transalvador: “Nossas bltize da Lei Seca acontecem em locais abertos. O condutor é convidado a passar pelo teste fora do veículo. Caso se sinta prejudicado pelo resultado, nós garantimos que ele poderá refazer o teste minutos após”. 

Testes foram feitos pela Transalvador para comprovar que o uso da substância nas mãos não compromete o resultado obtido pelo bafômetro, que detecta apenas o ar dos pulmões. 

Enxaguante bucal

Ainda segundo a Transalvador, resultados falso positivos também podem ocorrer em quem fez o bocejo com enxaguantes bucais à base de álcool. Esse resultado, geralmente, ocorre em quem fez o bocejo pouco antes de passar pelo teste no bafômetro. Em situações como essas, o condutor pode refazer o teste minutos após a primeira abordagem. 

“Essas substâncias também não interferem no resultado porque se dissipam rapidamente, não permanecendo por um logo período de tempo no sangue”, afirmou Müller.