Jacobina: Jovem usa redes sociais para denunciar estupro em Caatinga do Moura

Uma campanha de apoio tem tomado as redes sociais de Jacobina, após uma jovem de 16 anos relatar um estupro ocorrida no domingo, 5 de julho, no distrito de Caatinga do Moura. De acordo com B.B., o fato aconteceu após ela sair de um evento e um conhecido de um amigo se oferecer para levá-la em casa, conforme você pode conferir na íntegra, no relato feito por ela.

O Jacobina Notícias apurou que B.B. já registrou queixa na delegacia e que o acusado já foi chamado para prestar depoimento, porém ainda não foi encontrado. Soubemos ainda que na comunidade o acusado também não foi mais visto. Soubemos ainda que diversas ameaças foram direcionadas como forma de intimidá-la. Uma quantia em dinheiro também foi oferecida "Como se 200 reais iria fazer eu esquecer tudo que passei, estou tendo crise de ansiedade por hora, tudo me assusta, meu psicológico ainda não se acostumou com tudo isso" conta ela no relato, confira:

"Era 01:15 da madrugada de domingo pra segunda, quando pedi pra ir embora da casa de um amigo, e esse amigo falou que não tava com condições de me levar e um rapaz se ofereceu ao ouvir nossa conversa. Eu estava feliz, já tinha dançado, resenhado, mas vi que tinha chegado meu limite, só queria ir embora.

No meio do caminho me deparei com uma surpresa, o tal rapaz pegou um atalho, parou a moto que estávamos e falou que não daria essa viagem se eu não transasse com ele. Comecei a chorar horrores, com medo do que poderia acontecer. Pedi pra que me levasse de volta pra onde eu estava e ele disse que me levaria de boa pra casa, que tudo bem se a gente não transasse. Continuamos o caminho e novamente ele pegou outro atalho e repetiu:

- ou você me dá ou te deixo aqui no meio do mato.

O desespero, o medo, não me deixou sair correndo, eu só queria ir pra casa. Me colocou de costas na moto e começou o ato, mas por eu estar chorando muito e gritando (pior coisa que já passei em toda ninha vida) ele parou. Mandou eu vestir minha roupa e falou que me levaria pra casa. Eu não conseguia falar, só chorar, até que lembrei de registrar alguma coisa e gravei um áudio na hora do desespero. 

Fui ameaçada de morte caso eu contasse pra alguém, me ofereceram resolver isso amigavelmente. Eu iria ganhar 200 reais pra continuar calada. Como se 200 reais iria fazer eu esquecer tudo que passei, estou tendo crise de ansiedade por hora, tudo me assusta, meu psicológico ainda não se acostumou com tudo isso, principalmente pelos julgamentos, que eu sabia que iam ter muitos, Eu quero minha Justiça, eu quero esse monstro fora da Sociedade, se fez com uma faz com outra, isso não pode ficar assim".

Jacobina registrou no ano passado 938 casos de violência à mulher, seja ela física ou psicológica, porém sabemos que infelizmente ainda há muitos casos que não são registrados, pelo medo que as vítimas têm em se expor ou pelas ameaças sofridas. Nossa redação vai continuar acompanhando esse caso e traremos mais informações em breve. 

Por Igor Fagner / Jacobina Notícias - Conectando você com o mundo.